Dissertações 2006

171   
Autor: Elton de Souza Góes
Data: 28/04/06
Área de Concentração: Conservação e Restauro
Titulo: Análise da resistência à aderência de argamassa para uso em edificações históricas.

Resumo: A maioria das patologias presentes nas fachadas é o descolamento do revestimento. Portanto, aderência da argamassa ao substrato é uma importante propriedade, sobretudo nas argamassas históricas. No presente trabalho, foi constatada a baixa adesão das argamassas das fachadas históricas, basicamente compostas de argamassa de cal. Em comparação com a NBR 13749/96, as fachadas estudadas estariam condenadas, Entretanto, seria uma atitude temerária retirar toda a argamassa histórica existente a fim de atender à norma. Diante disto, passamos a questioná-la sob a ótica dos revestimentos históricos. Outro fator relevante abordado é a “Teoria da Compatibilidade”, que prediz que toda restauração deva ser executada com materiais de resistência física e mecânica menor que os adjacentes à área intervinda. Sendo assim, as argamassas novas postas em substituição à região mais danificada (com descolamentos) deve ter também baixa adesão e, por conseguinte, descumprir a norma. As situações anteriormente descritas são corriqueiras em restauro e nos levam a uma crítica da norma supracitada no sentido de se abandonarem os índices mínimos de resistência à aderência (0,30 MPa) e passar a fazer uma avaliação do revestimento quanto à sua dureza superficial, pulverulência e ausência de fissuras. Caso os valores de mínimos de norma fossem imprescindíveis, como se explicaria o fato de construções do século XVII e XVII ainda hoje estarem com os seus revestimentos íntegros?

Banca:
Profª. Cybele Celestino Santiago (orientador)
Profª. Alexandre Teixeira Machado (membro externo)
Profª. Vanessa Silveira Silva (membro externo)                     102p.

2006
172    Autor: Frederico Augusto Rodrigues da Costa de Mendonça
Data: 28/04/06
Área de Concentração: Urbanismo
Titulo: O que é público é de todos, de ninguém ou é de quem? Espaços livres de edificações nos parcelamentos da Vila Laura, Subdistrito de Brotas, Salvador/BA.

Resumo: Baseado no processo de urbanização de uma porção territorial situada na área central de Salvador, este trabalho buscou identificar e qualificar a distribuição dos espaços livres de edificação no parcelamento da propriedade denominada Vila Laura, expansão de Matatu, Subdistrito de Brotas. Esta análise aborda desde a concepção dos projetos e sua regulação pelas instâncias oficiais, à sua apropriação social. Com apoio nos estudos de sintaxe espacial e morfologia urbana, procurou-se analisar as semelhanças e diferenças entre os padrões de urbanização dos loteamentos Vila Laura e Três Marias, voltados para as classes médias, bem como de seu entorno imediato, dedicando particular atenção às áreas vegetadas nos espaços de uso público e particular, buscando-se, assim, caracterizar uma delimitação de imagem urbana de bairro. Este trabalho se conclui com uma discussão acerca de quem se apropria dos espaços livres públicos, relacionando a legislação e as práticas sociais, a intermediação da administração pública e a ausência de formas organizativas dos moradores e usuários dos espaços urbanos, somadas aos conflitos estabelecidos com a crescente utilização do automóvel na conformação dos espaços livres, particulares e públicos.

Banca:
Prof. Angelo Szaniecki Perret Serpa (orientador)
Prof ª. Ana Maria Fernandes (docente)
Prof ª. Patrícia Campos Borja (membro externo)                     300p.

2006
173    Autor: Manoel Humberto Silva Santos
Data: 18/04/06
Área de Concentração: Conservação e Restauro
Titulo: O espaço de rezar: a religião católica doméstica na casa rural do recôncavo baiano – Séculos XVI a XIX.

Resumo: Apesar de o Brasil ser considerado o maior país católico do mundo, a religiosidade praticada pelos brasileiros restringe-se, na maioria das vezes, ao espaço doméstico, ficando o comparecimento à Igreja reduzido apenas aos casos de batizados, casamentos, missas especiais etc. Por outro lado, é bastante conhecido o dito popular “muita reza e pouca missa, muito santo e pouco padre”, pelo fato de que, apesar da pouca presença na Igreja, o brasileiro tem o hábito da prática de orações, realizadas no interior de sua casa. Este trabalho procura entender a religiosidade católica brasileira vivida em âmbito doméstico ou familiar, praticada pelos primeiros colonos portugueses e, mais tarde, pelos brasileiros, e como ela interferiu na arquitetura da casa rural do Recôncavo baiano.

Banca:
Profª. Eloisa Petti Pinheiro (orientador)
Profª. Anete Régis Castro de Araújo (docente)
Prof. Isaias de Carvalho Santos Neto (membro externo)           161p.

2006
174    Autor: Monica Cristina Henriques Leite Olender
Data: 20/06/06
Área de Concentração: Conservação e Restauro
Titulo: A técnica do pau a pique: subsídios para a sua preservação.

Resumo: O pau a pique ou taipa de mão, como também é conhecido, representa uma das primeiras técnicas construtivas utilizadas no Brasil, tendo sido usado em uma considerável parcela dos edifícios que integram o patrimônio histórico brasileiro, muitos deles fazendo parte de núcleos urbanos reconhecidos mundialmente pela UNESCO como patrimônio da humanidade. Apesar disso, um número preocupante deles é perdido a cada ano, devido, principalmente, ao desconhecimento da técnica, dos seus materiais constituintes e de formas adequadas de nela se intervir. Nesse sentido, o presente trabalho busca fornecer subsídios para a preservação do pau a pique, trazendo informações que, do ponto de vista histórico, visam a ressaltar a sua utilização no Brasil e a sua importância para a história da arquitetura brasileira; do ponto de vista tecnológico, visam a apresentar a técnica através das formas como mais comumente é encontrada (o que inclui seus materiais constituintes); e do ponto de vista da preservação, visam a fornecer dados para uma adequada conservação dos edifícios históricos com ele construídos, principalmente se necessitarem de intervenções de restauração. Todo o conteúdo foi estruturado a partir da sistematização dos dados obtidos na bibliografia e nos sites consultados, nas entrevistas feitas com profissionais que pesquisam e utilizam a terra crua para a construção, nas visitas feitas a laboratórios de pesquisa do material terra e no trabalho de campo, que consistiu no estudo e na documentação fotográfica de edifícios localizados nos estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro construídos, total ou parcialmente, de pau a pique.

Banca:
Profª. Cybele Celestino Santiago (orientador)
Prof. Sandro Lemos Machado (membro externo)
Profª. Vanessa Silveira Silva (membro externo)                      148p.

2006
175    Autor: Islândia Conceição Costa
Data: 03/07/06
Área de Concentração: Urbanismo
Titulo: Um olhar sobre o direito à cidade em Salvador: acessibilidade ao meio físico no centro da cidade para pessoas com deficiência.

Resumo: A proposta deste estudo é apresentar a acessibilidade como uma dimensão do direito à cidade, e que gera uma demanda por novos padrões construtivos e, sobretudo, pela incorporação de novos valores nas formas de se pensar e conceber a arquitetura. O recorte utilizado no estudo abrange relações entre as dimensões do trabalho do arquiteto, o meio físico e as pessoas com deficiência.  São analisadas as relações entre esses três elementos a partir da perspectiva da acessibilidade no centro antigo de Salvador, área compreendida entre o bairro do Campo Grande e a Praça da Sé. A fundamentação teórica consiste em uma pesquisa documental, que aborda a acessibilidade, a legislação específica e as pessoas com deficiência. A análise da acessibilidade no centro de Salvador foi realizada por meio da confrontação de entrevistas de 12 pessoas com deficiência física e visual acerca dos seus percursos no centro, com as normas técnicas e textos legais sobre o tema, além de observações realizadas em visitas in loco. As análises tiveram como principais focos quatro aspectos de acessibilidade, como destacados pela norma brasileira vigente (NBR 9050 da ABNT): a comunicação e a sinalização, o mobiliário urbano, o acesso e a circulação, e, enfim, o equipamento urbano como espaço público. São apresentados, em seguida, aspectos da análise da acessibilidade que vão além das normas técnicas, envolvendo as percepções das pessoas com deficiência. Por fim, com o objetivo de contribuir para a melhoria das políticas públicas e dos projetos urbanísticos dentro de uma perspectiva de inclusão, são apresentadas as considerações finais, que contemplam reflexões e orientações acerca do tema e a partir dos principais aspectos da análise da acessibilidade no centro de Salvador.

Banca:
Profª. Ana Maria Fernandes (orientador)
Profª. Eloisa Petti Pinheiro (docente)
Profª. Maria Aruane Garzedin (membro externo)               240p.

2006 
176    Autor: Leonardo Falangola Martins
Data: 11/10/06
Área de Concentração: Conservação e Restauro
Titulo: Paisagem e patrimônio – o Pilar em perspectiva.

Resumo: A cidade e sua imagem são o resultado da ação cultural do homem, portanto, artifício. A leitura da paisagem urbana é, então, um meio de abordagem dos aspectos intrínsecos da cultura de uma sociedade a partir de seus elementos físicos: construídos e naturais. Para esse tipo de leitura, existem inúmeros caminhos ou métodos que vêm sendo propostos desde meados do século passado, mas o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN – definiu o método da “Análise Sequencial de Percursos”, desenvolvido por Maria Elaine Kohlsdorf, como a base para a análise dos espaços urbanos dos principais conjuntos arquitetônicos, urbanísticos e paisagísticos tombados do Brasil. A dissertação aborda essa metodologia com o objetivo de explicitá-la, analisá-la e criticá-la a partir da sua aplicação prática em um sítio-pretexto, no intuito de verificar sua validade e pertinência como método escolhido por aquela instituição Federal. Feitas as análises, observou-se que o método tem suas bases teóricas fincadas nas teorias desenvolvidas por Kevin Lynch na década de 1950, mas não apresenta grandes avanços em relação a elas. Os principais pontos de crítica localizam-se nos elementos-síntese da proposta da autora: o observador, o movimento, os percursos, estações e campos visuais, e a objetivação dos dados. A principal conclusão a que se chegou foi que o método esvazia os conteúdos e simplifica o que é essencialmente complexo, transformando o conteúdo dos elementos levantados em números não-representativos do objeto a que se referem. Contudo, mesmo entendendo que a metodologia abordada não atinge os objetivos de análise espacial a que se propõe, entende-se que ela é um instrumento que tem uma validade parcial legitimada pela vasta gama de elementos que induz ao registro, permitindo a configuração de um inventário das características espaciais do ambiente urbano estudado.

Banca:
Profª. Esterzilda Berenstein de Azevedo (orientador)
Profª. Susana Acosta Olmos (docente)
Prof. Eugênio de Ávila Lins (membro externo)               129p.

2006 – DOUTORADO
177    Autor: Liliane de Castro Vieira
Data: 05/10/06
Área de Concentração:Conservação e Restauro
Titulo: As tipologias arquitetônicas de Ouro Preto no século XX: estudo comparativo entre os inventários de 1949 e 2002.

Resumo: A dissertação se propôs a comparar o sítio histórico de Ouro Preto inventariado por Sylvio de Vasconcellos, em 1949, com o inventariado através do Programa Monumenta, em 2002. A partir da discussão do processo de decadência, esvaziamento e a reconstrução, e saturação da cidade de Ouro Preto, a partir da segunda metade do século XX, este estudo procurou identificar as tipologias arquitetônicas e formas de ocupação mantidas, modificadas e criadas durante esse período nessa cidade, considerando o perímetro de tombamento delimitado pelo IPHAN em 1989.

Banca:
Prof. Paulo Ormindo David de Azevedo (orientador)
Profª. Ana de Lourdes Ribeiro da Costa (docente)
Prof. Eugênio de Ávila Lins (membro externo)                      180p.

2006
178    Autor: Maria Rosa de Carvalho Andrade
Data: 11/10/06
Área de Concentração: Conservação e Restauro
Titulo: As práticas do IPHAN e a questão da paisagem em sítios de valor monumental: o caso de Rio de Contas.

Resumo: O tombamento de Rio de Contas pelo IPHAN, em 1980, restringiu-se ao conjunto arquitetônico remanescente da mineração do ouro. Deixou de contemplar serras que lhe são contíguas e que se constituem em elementos essenciais na conformação da paisagem e na apreensão do espaço minerador. A presente dissertação teve como objetivos analisar a cidade em um contexto paisagístico, para embasar propostas futuras de preservação; compreender, por meio de exemplos de tombamentos efetuados, como a Instituição conceituou a paisagem ao longo de seus quase 70 anos de atuação; avaliar as mudanças ocorridas na legislação federal de preservação a partir de 1937, no que concerne à paisagem; analisar como foi abordada a questão da paisagem no tombamento de Rio de Contas. Na pesquisa, desenvolvida em fontes primárias e secundárias, foram selecionados elementos de significativa importância para o estudo em 15 núcleos urbanos tombados; na legislação federal, foi encontrada escassa abordagem sobre a paisagem; para o tombamento de Rio de Contas, foram encontrados documentos nos processos de tombamento e no arquivo da 7ª Superintendência Regional. Os dados levaram à constatação de que o IPHAN nunca estabeleceu marco teórico e conceitual sobre a paisagem a fim de embasar os tombamentos efetuados; a legislação federal de proteção aos bens culturais publicada de 1937 aos dias atuais não estabeleceu significativas definições no que diz respeito à paisagem; no tombamento de Rio de Contas, a proteção da paisagem não foi uma questão de relevante importância. Para que seja efetivada a preservação da cidade mineradora que está presente na sua conformação urbana recente, é fundamental a inclusão das serras na proteção legal do conjunto. Assim, devem ser encontradas soluções para a preservação das cotas mais altas das serras e a recomposição dos trechos já degradados, para se restaurar a unidade figurativa da cidade, fruto da mineração do ouro.

Banca:
Profª. Odete Dourado Silva (orientador)
Prof. Mario Mendonça de Oliveira (docente)
Prof. Eugênio de Ávila Lins (membro externo)               267p.

2006
179    Autor: Ana Gabriela Wanderley Soriano
Data: 15/12/06
Área de Concentração: Urbanismo
Titulo: O espaço público e a cidade contemporânea: as praças de Salvador entre o discurso e a intervenção.

Resumo: A dissertação tem a proposta de estudar as intervenções contemporâneas nas praças públicas, observando as tônicas dadas por parte das administrações governamentais. Caracterizadas historicamente por ser um espaço de convivência social, as praças passam atualmente por um processo de revalorização do seu papel dentro das sociedades contemporâneas. A partir de sua reconhecida relevância na paisagem urbana e pela verificação da constante apropriação por parte da população local, as praças públicas apresentam-se como objetos de interessante valor na construção de uma imagem positiva das cidades. Para tanto, os administradores públicos, aliados à iniciativa privada, iniciam um processo de resgate e reformulação desses espaços, no intuito de dar-lhes novas configurações e ressaltar sua relevância no contexto urbano. Nessa perspectiva, a Prefeitura Municipal de Salvador lança, em 1999, o Projeto do Polígono da Identidade Cultural, cujo principal objetivo é resgatar espaços de significação, a fim de constituir uma “identidade” que represente e traduza a diversidade das manifestações históricas e culturais. Nesse contexto, o presente trabalho busca compreender, como objeto de estudo, as características das principais intervenções ocorridas a partir da década de 1990, dedicando especial atenção às praças elencadas dentro do Projeto do Polígono da Identidade Cultural, confrontando as opções projetuais às diretrizes estipuladas pela administração municipal, verificadas em materiais de divulgação da própria Prefeitura.

Banca:
Profª. Ana Maria Fernandes (orientador)
Prof. Marco Aurélio Andrade de Filgueiras Gomes (docente)
Profª. Maria Aruane Garzedin (membro externo)               174p.

2006 
180    Autor: Ernesto Regino Xavier de Carvalho
Data: 04/12/04
Área de Concentração: Conservação e Restauro
Titulo: A história do Cemitério dos Ingleses da Bahia – uma necrópole renascida

Resumo: A dissertação Uma Necrópole Renascida – A história do Cemitério dos Ingleses da Bahia trata da instauração do Cemitério dos Ingleses na Cidade do Salvador, sua história como um monumento religioso anglicano em terras brasileiras, desde a sua implantação ainda no começo do século XIX, até o seu processo de restauração em 2006. O objeto dessa dissertação está relacionado a uma série uma série de eventos históricos que possibilitaram a sua existência na então colônia portuguesa, desde a evolução da política tratadista entre Portugal e Inglaterra até a vinda da Família Real para o Brasil em 1808, e vai até as relações com a política expansionista mercantilista da Inglaterra no desenvolvimento da Revolução Industrial. Pesquisa dados documentais textuais diretos, muitos dos quais em fonte primária, a sua iconografia e o seu processo de restauração, a fim de se montar a sucessão de eventos históricos que o formaram e também o seu entorno imediato. A comparação e a descrição da rede de cemitérios de Salvador no século XIX também são analisadas no sentido de que, em se estabelecendo comparações de diversas ordens com casos paralelos, se possa entender a existência desse cemitério como peça atuante na relação de causa e efeito da história, e não como um elemento aleatório na paisagem. A característica escolha da pitoresca implantação no subúrbio e a visão da Bahia por parte dos viajantes estrangeiros do século XIX são também observadas. O processo de restauração desse cemitério, que se iniciou em 2004 e teve fim em novembro de 2006, também serviu de suporte a esta pesquisa, no intuito não só de ratificar diversas informações encontradas nas pesquisas textuais, como também de preencher as diversas lacunas encontradas, visto que se trata da história da arquitetura do último remanescente da arquitetura anglicana do século XIX na Bahia.

Banca:
Profª. Esterzilda Berenstein de Azevedo (orientador)
Profª. Anete Régis Castro de Araújo (docente)
Profª. Vânia Hemb Andrade (membro externo)                       194p.

2006
181    Autor: Jeferson Dantas Navolar
Data: 01/12/06
Área de Concentração: Conservação e Restauro
Titulo: A "comitância" dos específicos com o genérico: a preservação do patrimônio em Curitiba e a arquitetura dele resultante de 1965 a 2000.

Resumo: Esta dissertação trata da preservação do patrimônio arquitetônico em Curitiba, a qual, desde 1965, esta diretamente vinculada ao Planejamento Urbano. Por consequência, a cidade teve seus conjuntos arquitetônicos preservados – preservação genérica – sem o trauma dos tombamentos. Por outro lado, essa vinculação demonstrou-se grosseira, no trato das unidades isoladas – preservação específica. Em Curitiba, o principal instrumento legal utilizado para a preservação das unidades isoladas é também uma operação urbana, ou seja, é a possibilidade da transferência do Potencial Construtivo, depois de restauradas. Entretanto, a maioria dessas iniciativas, recai sobre aquelas unidades com maior volume de potencial construtivo – determinado pelo Zoneamento Urbano – independentemente do grau de importância histórica ou arquitetônica que essa unidade tem para a história da cidade. Ao mesmo tempo em que estimula essa falsa preservação, o Poder Público municipal, também constrói, nos Parques da cidade, réplicas da arquitetura aqui produzida pelos imigrantes italianos, ucranianos, alemães, poloneses e japoneses, principalmente. As conclusões iniciais confirmam a tendência inflacionária tanto quanto à tipologia dos imóveis eleitos para preservar a memória da cidade, bem como na arquitetura resultante das respectivas intervenções.

Banca:
Prof. Mario Mendonça de Oliveira (orientador)
Profª. Eloisa Petti Pinheiro (docente)
Prof. Eugênio de Ávila Lins (membro externo)                       227p.

2006
182    Autor: Luciano Fernandes Caria
Data: 11/12/06
Área de Concentração: Urbanismo
Titulo: Os caminhos da Universidade Federal da Bahia: 1946-2006.

Resumo: Este trabalho se propõe a estudar o processo de territorialização da Universidade Federal da Bahia na cidade de Salvador ao longo dos seus sessenta anos de história (1946/2006), buscando entender as relações entre seu projeto de território universitário, em forma de campus, e o processo de ocupação que realmente aconteceu. A busca por um espaço acadêmico integrado e plural sempre esteve presente na história da maioria das universidades públicas brasileiras, que buscaram na ideia de campus uma solução para problemas crônicos de integração da comunidade acadêmica com a cidade e com ela própria. Conhecer as origens e os significados de “campus”, assim como suas primeiras aparições no Brasil é importante para entender como o planejamento do crescimento da UFBA modificou o tecido urbano de Salvador. Nesse sentido, este trabalho faz um relato historio do crescimento físico da UFBA, através de quatro linhas de análise: os reitorados, os planos, as aquisições de terrenos e as construções de novas unidades, questionando a necessidade iminente de uma proposta global de planejamento do território universitário.

Banca:
Profª. Esterzilda Berenstein de Azevedo (orientador)
Prof. Antônio Heliodório Lima Sampaio (docente)
Prof. Alberto Rafael Cordiviola (membro externo)                       135p.

2006
183    Autor: Daniele Baltz da Fonseca
Data: 11/12/06
Área de Concentração: Conservação e Restauro
Titulo: Tintas e pigmentos no patrimônio urbano pelotense – Um estudo dos materiais de pintura das fachadas do século XIX.

Resumo: Esta dissertação estudou uma metodologia de intervenção cromática em edifícios de interesse cultural e os materiais de pintura de fachadas mais utilizados nas edificações pelotenses do século XIX. Sua apresentação foi estruturada em três partes, e a primeira delas aborda as relações cromáticas em centros históricos, exemplos de planos de cor estabelecidos em cidades europeias, e apresenta, através de dois exemplos práticos de elaboração de propostas cromáticas para monumentos, uma metodologia para a intervenção de pintura fundamentada sobre a teoria da restauração. A segunda parte consiste num aprofundamento técnico e histórico sobre os materiais de pintura como a cal e os pigmentos. Com isso, conheceram-se os materiais corantes mais possíveis de terem sido utilizados nas fachadas do século XIX. Essa parte abordou, também, a história da cidade escolhida como objeto deste estudo (Pelotas/RS), bem como a contextualização das relações cromáticas estabelecidas nessa cidade durante seu período eclético. A terceira parte traz exemplos dos métodos científicos utilizados nos estudos cromáticos de edificações históricas: prospecção de camadas de pintura, análises da secção polida, microscopia de luz polarizada, análises químicas de pigmentos, entre outros. Apresenta, ainda, as pesquisas que determinaram os pigmentos mais utilizados para os grupos cromáticos amarelos, vermelhos e azuis das fachadas pelotenses da segunda metade do século XIX. Essas pesquisas utilizaram a espectroscopia Raman e a microscopia eletrônica de varredura com espectrômetro de energia dispersiva (MEV-EDS) como técnicas de análise qualitativa. Dentre as amostras analisadas, verificou-se, para os grupos de cor amarela e vermelha, a presença dos pigmentos amarelo ocre e vermelho ocre (coloridos a partir do óxido de ferro); para o grupo azul, encontrou-se a lazurita, um pigmento obtido a partir de uma gema semipreciosa conhecida como lápis-lazúli.

Banca:
Prof. Mario Mendonça de Oliveira (orientador)
Prof. Eugênio de Ávila Lins (membro externo)
Profª. Soraia Teixeira Brandão (membro externo)                       205p.